Promover geração de trabalho e renda. Este é um dos objetivos do projeto “Fábrica de Vassouras Ecológicas – ECOPET”, que tem beneficiado um grupo formado por sete catadoras de materiais recicláveis do lixão de Delmiro Gouveia, no estado de Alagoas.

O projeto é uma parceria da Cáritas Brasileira Regional NE2, que reúne a Cáritas Diocesana de Palmeira dos Índios e a Paróquia Nossa Senhora do Rosário, com as Secretarias Municipais de Meio Ambiente e Educação, além da Prefeitura de Delmiro Gouveia.

A Cáritas Diocesana é responsável pela execução e organização do projeto. De acordo com a articuladora local das ações de economia popular solidária no Estado, Maria Mafra, a proposta do projeto foi apresentada ao Fundo Nacional de Solidariedade (FNS), da CNBB e Cáritas Brasileira. Na ocasião, a proposta foi contemplada com recursos do FNS que financiou a aquisição dos maquinários, equipamentos e insumos necessários para o funcionamento da fábrica de vassouras.

“Para que o projeto se concretizasse de fato, nós tivemos que articular também outras parcerias necessárias. A partir do esforço da Cáritas Diocesana, dos recursos do FNS e das parcerias estamos beneficiando esse grupo de mulheres, que corajosamente retira do lixo os materiais para sua sobrevivência e de seus familiares”, explicou Maria Mafra.

Trabalho e renda

A fábrica de vassouras de garrafa pet surge como uma alternativa viável para geração de trabalho e renda, diante das exigências da Lei nº 12.305/10, que entre outras coisas prevê o fechamento dos lixões. A medida afetou milhares de catadores e catadores que trabalham na catação de materiais recicláveis nos lixões em todo o país.

Diante deste contexto, a Cáritas Brasileira Regional NE2 através da Cáritas Diocesana de Palmeira dos Índios, que já desenvolvem ações na perspectiva da economia popular solidária, preocupadas com a situação dos catadores e catadores assumem o desafio de buscar meios necessários para a implantação de um projeto voltado para produção de vassouras ecológicas.

A fábrica de vassouras tem garantido trabalho e renda para sete catadoras que ainda continuam trabalhando na catação e separação de materiais recicláveis numa área de transbordo – onde está sendo construído o aterro sanitário da cidade. Elas dedicam de três a quatro dias por semana para esse trabalho, e mais um dia reservado para fabricação das vassouras, que serão fornecidas às prefeituras, comerciantes locais e diretamente aos consumidores.

Atualmente, o grupo conta com a orientação de uma instrutora que repassa as informações necessárias para o manuseio correto das máquinas e equipamentos utilizados na produção das vassouras. O Regional NE2 disponibilizará educadoras populares que oferecerão capacitação na temática de Gestão de Empreendimento Solidário.

   

Parcerias que beneficiam famílias

A participação dos parceiros é fundamental para o sucesso do projeto. Como resultado dessa parceria, a fábrica conseguiu ser instalada no prédio de uma escola desativada, que havia sido cedida a paróquia através de um Termo de Cessão de Uso, e por sua vez disponibilizou o prédio para acolher a fábrica de vassouras. A Secretaria de Meio Ambiente vem apoiando os catadores em vista do fechamento do lixão, bem como promovendo melhorias nas instalações do prédio onde funciona a fábrica no bairro Craibeirinhas, em Delmiro Gouveia.

por Assessoria de Comunicação da Cáritas Regional NE2 com informações de Maria Mafra, articuladora local do Regional NE2.

No related posts.