Criado em 1981, o dia mundial da alimentação, hoje, é celebrado em 150 países. Com o intuito de conscientizar a opinião pública sobre as questões relacionadas com a nutrição e alimentação, tenta também chamar atenção para a produção agrícola em todos os países, estimular a cooperação econômica e técnica entre os países em desenvolvimento, além de promover o sentimento de solidariedade nacional e internacional na luta contra a fome, a desnutrição e a pobreza.

Hoje, a produção de alimentos é suficiente para alimentar toda a população mundial. O grande problema está na distribuição desses alimentos, que não chegam à mesa dos que mais precisam. Segundo dados do Banco Mundial, entre 2010 e 2011, período da crise dos alimentos, o aumento do preço dos alimentos deixou quase 70 milhões de pessoas em situação de pobreza extrema em todo o mundo.

Em 2013, na cerimônia do Dia Mundial da Alimentação, o Papa Francisco disse: “É um escândalo que ainda exista fome no mundo”. O Papa culpou o individualismo pela criação de uma “atitude de indiferença”, como se a fome e a má nutrição fosse um fato inevitável. “Isso não pode nunca ser considerado normal”, afirmou ele.

O Brasil tem hoje 3,4 milhões de cidadãos em situação de insegurança alimentar, o equivalente a 1,7% da população nacional. Esses números colocam o país na lista de nações que superaram o problema da fome, segundo o mais recente relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)

Conforme a FAO, o Brasil saiu do Mapa Mundial da Fome em 2014. De 2001 a 2012, caiu em 75% a população de brasileiros considerados em situação de subalimentação. Essa saída do Brasil do Mapa Mundial da Fome é resultado de uma maior atenção do estado brasileiro no combate à fome, a partir de um conjunto de políticas públicas como PAA, PNAE, Mais Alimento, entre outros programas sociais que garantiram aumento da renda da população mais pobre e maior acesso aos alimentos.

Por outro lado não é o bastante ter acesso aos alimentos. É preciso ter acesso a alimentos de qualidade que garantam a melhoria na vida das pessoas. Nos últimos tempos a população passou a consumir alimentos de valor nutritivo muito baixo, contaminados pelo uso abusivo de agrotóxicos e de sementes geneticamente modificadas – OGM´s. Esse hábito alimentar da população vem provocando um aumento desordenado na utilização do sistema de saúde pública como um todo, deixando cada vez mais as pessoas em risco para adquirir doenças como: obesidade, hipertensão, diabetes, acidente vascular celebral, anemia e hipovitaminose A, iodação do sal, entre outras.

A produção agropecuária no Brasil vem batendo recordes a cada ano. O direcionamento dessa produção (soja, café, cana de açúcar, carne, entre outros) é destinada à exportação, cabendo ao Brasil o título de maior exportador desses produtos. Mas sabemos que a agricultura familiar é responsável por mais de 70% da produção dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros todos os dias. Mesmo tendo uma área produzida menor que a do agronegócio, a agricultura familiar é responsável e fundamental para segurança alimentar no país.

Segundo a FAO, um terço de todos os alimentos produzidos no mundo é desperdiçado por falta de um manejo adequado, perdendo-se no caminho da cadeia produtiva ou acabam simplesmente no lixo. Os custos econômicos do desperdício de comida podem chegar a 750 bilhões de dólares anuais.

No Brasil, a quantidade de alimentos desperdiçados atinge cerca de 30% da produção total. Grande parte do desperdício acontece no processo da colheita, no transporte, no armazenamento, na comercialização ou nas grandes centrais de comercialização e também nas casas. Em geral, a quantidade de alimentos desperdiçados seria capaz de alimentar cerca de 54 milhões de pessoas.

Diante desse cenário, no dia mundial da alimentação, a Cáritas Brasileira realizará palestras nas escolas, seminários, oficinas, rodas de conversas e audiências públicas. Desenvolverá ações no campo da mobilização social a partir da campanha mundial contra a fome, durante a semana de solidariedade que acontecerá em todo Pais por meio dos seus Regionais, Cáritas Diocesanas e Paroquiais, no período de 7 a 14 de novembro de 2014. Estamos convocando as comunidades eclesiais e a sociedade civil para refletir sobre a temática da Fome e da Pobreza, para continuar o esforço de termos um país sem fome e miséria.

 

Por Jaime Conrado :: Coordenação Colegiada da Cáritas Brasileira

No related posts.