O primeiro colóquio do dia, com tema Cultura, Religiões e Desigualdades de Gênero trouxe subsídios para o aprofundamento e identificação das questões ligadas às desigualdades desde a sua raiz. Com conteúdo orientado por Hulda Stadtler e Andrea Sanchez, o público presente no segundo dia do Seminário Internacional pôde trocar informações, na perspectiva da organização para a construção de mudanças.

Para Andrea Sanchez, a programação desenvolvida no evento, através dos colóquios e mini plenárias, dialoga com a proposta de aprofundamento da temática geral, inserida no momento da Cáritas, onde a família humana é convocada a se unificar por um fim: a erradicação das fomes, a de alimento e a de justiça.

Apontadas como culpadas pelas próprias violações a que são submetidas, algumas mulheres participantes reconhecem que o único meio de contrapor tudo isso é o feminismo radical e a organização coletiva, uma vez que essas mulheres são responsabilizadas por perpetuarem as práticas que alimentam o machismo, por caber a elas o papel de educadoras das crianças.

Durante toda a tarde, o público foi dividido em mini plenárias temáticas. Os resultados foram apresentados numa dinâmica no espaço externo do Centro Culural de Brasília, onde as discussões foram compartilhadas no grupo maior.

A programação do Seminário Internacional Mulheres, Fome, Pobreza, Exploração e Tráfico Humano continua nesta sexta-feira (17), com a explanação e compartilhamento de diálogos, que culminarão na construção de uma Carta do evento, documento oficial que objetiva a efetivação de políticas públicas para a mulher.

 

Por Doroty Amaral :: Assessora de Imprensa da Cáritas Brasileira

No related posts.