Na última terça-feira (10), a Cáritas Diocesana de Pesqueira (PE) participou do Seminário “Parques Eólicos e os Impactos Ambientais”, no Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadores Rurais da cidade de Brejo da Madre de Deus, no agreste pernambucano. O momento contou com a presença de alguns agricultores/as, do Bispo Diocesano, Dom José Luíz, sindicalistas, autoridades eclesiais, entre outros.

O encontro teve como objetivo mostrar os impactos que a região pernambucana irá sofrer com a implantação da Usina Eólica. Para iniciar, alguns representantes foram convidados à mesa para dar as boas vindas, entre eles, Dom José, Padre Danilo e Padre Bartolomeu.

“É com grande alegria que estamos participando desse debate. Como igreja, nos unimos a vocês para provocar uma discussão sobre essa temática, que de fato, merece um posicionamento, sobretudo, uma ação organizada da sociedade civil. Espero que este momento sirva para olharmos a realidade das nossas comunidades, que são invadidas por empresas para fazer investimentos. Precisamos discutir essas ações, não podemos permitir que nossa casa comum seja invadida por projetos que modificam a história do nosso povo”, disse Dom José.

O primeiro momento foi moderado pelo presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Capibaribe, Paulo André, que convidou Elizabeth Szilassy para apresentar o contexto da energia eólica no agreste Pernambuco. Em sua apresentação, ela trouxe vários pontos inquietantes sobre como as pessoas serão atingidas, o modo de execução, os projetos dentro do Estado de Pernambuco, entre outros.

Além disso, o representante da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Pernambuco (Fetape), Pascal, apresentou o termo de contrato, o qual o agricultor deverá assinar ao arrendar a sua propriedade. Nesse documento, existem cláusulas que precisam ser repensadas e discutidas, pois a maioria só trará benefícios à empresa. Foi o bastante para abrir um debate entre os participantes.

Logo após, o segundo momento iniciou com o secretário estadual do Meio Ambiente, Carlos André, explicando como funcionam as leis e todas as licenças que existem no trabalho desenvolvido pela Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), que é integrada à Administração Descentralizada do Governo do Estado de Pernambuco, exercendo atividades públicas. Carlos também contou com a ajuda de uma representante da CPHR, Fabíola Valença, que explicou um pouco sobre a fiscalização, monitoramento e licenciamento dos processos.

Em seguida, o professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Leonardo Cisneiro, falou da legislação ambiental de Pernambuco e como é extremamente importante realizar estudos de impactos ambientais através de audiências públicas.

Para encerrar o debate, o representante do Ministério Público de Pernambuco, Ronaldo, reforçou a importância de repensar sobre esses projetos, e quais estratégias podem ser adquiridas a fim de evitar danos futuros na vida do homem e da mulher do campo. Finalizando o encontro, foi exibido o vídeo “Parques Eólicos na Bahia: A caça pelos ventos”.

Com informações do Núcleo de Comunicação da Cáritas Diocesana de Pesqueira

No related posts.