Com um público de mais de mil agricultores e agricultoras, a Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2 celebrou, na última quarta-feira (22/03), a construção e a entrega de 1670 cisternas de placas para as famílias da zona rural do município de Capoeiras (PE). A cerimônia foi realizada na Escola Estadual Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, localizada no Centro da cidade, e contou com a presença de representantes da sociedade civil e das esferas do Governo.

Além da comemoração pelo Dia Mundial da Água, a Mesa de Diálogos marcou a universalização do acesso hídrico alcançado pelas famílias da zona rural do município, por meio da execução do Programa Água Para Todos, que conta com a parceria do Programa Estadual de Apoio ao Pequeno Produtor Rural (ProRural), ligado ao Governo do Estado.

A partir da contextualização da água como um direito de todos e ressaltando os princípios espirituais e materiais, o secretário regional, Angelo Zanré, iniciou o evento com a saudação ao público. “Em nome da Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2, desejo boas-vindas a todos e todas neste momento tão importante. A água é sagrada, é dom de Deus, portanto é, também, um princípio espiritual essencial. Além disso, ela é material, porque possibilita a sobrevivência humana, através do consumo, da produção de alimentos, da criação animal, entre tantos outros aspectos”, pontuou.

A partir da própria experiência de ter uma cisterna de placas no terreiro de casa, a presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável de Capoeiras, Maria Ildejane Pereira, falou sobre os benefícios que a tecnologia social de captação e armazenamento de água da chuva traz para as famílias. “Estou muito feliz, pois Capoeiras foi um dos municípios que se destacou no número de cisternas construídas. Só sabe o valor e a importância de uma cisterna quem a tem no arredor de casa”, afirmou.

Já para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Capoeiras, Nilson Freitas, a ocasião ficará marcada na história e nas mentes dos capoeirenses. “Não é à toa que o município de Capoeiras foi escolhido para receber esta celebração no Dia Mundial da Água. Hoje, comemoramos a universalização do acesso à água nesse município. Graças ao Movimento e graças aos trabalhadores e trabalhadoras”, disse.

Por sua vez, a prefeita de Capoeiras, Lucineide Silva, destacou a alegria por este momento da história do município. “A produção agrícola foi quem sempre estimulou a economia do país, portanto quero fazer, aqui, um agradecimento especial à Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2, por tamanho compromisso e dedicação aos agricultores”, concluiu a gestora municipal.

Na ocasião, agricultores contemplados pelo Programa também falaram da mudança de vida após a cisterna. Foi assim com seu Simão Salgado, que relatou a experiência da família depois que passou a ter a tecnologia ao redor de casa. Entretanto, é na fala das mulheres, de modo especial, que é possível compreender todos os benefícios trazidos pela política pública. “A gente vivia no sacrifício, carregando latas com água na cabeça. Hoje, eu não sofro mais por ter que buscar água para beber em lugares distantes da minha casa. Agora, é só ir no terreiro, abrir a porta da cisterna e encher o balde”, explicou a agricultora Maria José da Silva.

Como um gesto concreto, a equipe do Programa de Convivência com o Semiárido da Cáritas Nordeste 2 elaborou uma Carta Aberta pela comemoração ao Dia Mundial da Água e pela universalização do acesso hídrico alcançado pelo município. O documento foi lido por Kilma Ferreira, membro da Colegiada Regional, e pelo supervisor técnico, Edimilson Paulino. A carta aborda as especificidades do Semiárido brasileiro, da atuação da Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2 na busca pela criação e consolidação de políticas públicas, assim como traz proposições ao governantes municipais e estaduais, no sentido de dar continuidade aos trabalhos em prol da população camponesa.

Após a leitura do documento, a coordenadora regional do Programa de Convivência com o Semiárido, Flavianeide Pereira, falou dos desafios de conviver com a estiagem prolongada, mas também abordou as conquistas que as famílias obtêm no processo de formação e mobilização social. “O acesso à água impacta diretamente na saúde, na autonomia hídrica, na segurança alimentar e nutricional, a fim de proporcionar importantes melhorias na qualidade de vida das famílias”, considerou.

Em seguida, uma comissão formada por gestores públicos e sociedade civil caminhou até a casa da agricultora Analia Claudino de Melo, localizada na comunidade Curral Queimado. A família dela foi escolhida para representar as outras 1669, que foram contempladas pelo Programa Água Para Todos no município de Capoeiras. Na ocasião, a cisterna foi abençoada e aspergida com água benta, a fim de ser um instrumento de vida.

CAETÉS – Além de Capoeiras, outro município que faz parte da atuação do Programa Água Para Todos, é Caetés, que está sendo contemplado com mais de duas mil cisternas. De acordo com o prefeito, Armando Almeida, o compromisso que a Organização assume diante das famílias é peça fundamental para o sucesso dessa ação. “Credibilidade e confiança são palavras que resumem a atuação da Cáritas”, afirmou o gestor. Para o secretário municipal de Agricultura, Lucivalter Santana, são trabalhos como esses que estruturam as famílias no campo e engrandecem a agricultura familiar.

Por Lidiane Santos | Assessoria de Comunicação do Regional NE2, com fotos de Rosanny Barreto, da Cáritas Diocesana de Pesqueira.

No related posts.