Nesta quinta-feira (30/03), é celebrado o Dia Mundial da Juventude. A data foi instituída em 1985, durante o Ano Internacional da Juventude, promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU). A celebração consolidou a força para o protagonismo, exercida pelos jovens, diante dos mais diversos contextos sociais.

No Brasil, dados do último Censo Demográfico, realizado, em 2010, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), apontam que a população juvenil alcançou a maior quantidade de pessoas na história do país. São mais de 51 milhões de jovens, com idade entre 15 e 29 anos, sendo 85% presentes nas cidades e 15% no campo.

Na Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2, os jovens são atores sociais importantes nas três principais linhas de ações institucionais, com destaque para o Programa de Infância, Adolescência e Juventudes (Piaj), que desenvolve, através de práticas pedagógicas, o interesse desse público em busca do protagonismo cidadão e da transformação social.

No âmbito do Programa de Convivência com o Semiárido (PCSA), a implantação de políticas públicas, voltadas para a agricultura familiar, através da construção de cisternas de placas, tanto voltadas para o consumo humano quanto para a produção de alimentos, têm contribuído para a permanência dos jovens no campo, diminuindo, consideravelmente, o êxodo rural.

Outra ação do Regional Nordeste 2, que, ao mesmo tempo em que está inserida na convivência com o Semiárido, também estimula práticas da Economia Popular Solidária (EPS), é realizada no município de Bom Conselho, no Agreste Meridional de Pernambuco. Através de um projeto, financiado pelas Manos Unidas, jovens agricultores escolheram uma forma de empreendimento para trabalhar e, atualmente, eles têm colhido os resultados dessa busca diária, seja a partir da produção de doces caseiros ou da criação de animais de pequeno e médio porte.

Em visita ao Brasil, para participar da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), em 2013, o papa Francisco fez um pedido especial aos jovens, para que não confundissem a felicidade com um sofá. “Queridos jovens não viemos ao mundo para ‘vegetar’, para transcorrer comodamente os dias, para fazer da vida um sofá que nos adormeça; pelo contrário, viemos com outra finalidade, para deixar uma marca. É muito triste passar pela vida sem deixar uma marca. Mas, quando escolhemos a comodidade, confundindo felicidade com consumo, então o preço que pagamos é muito, mas muito caro: perdemos a liberdade”, orientou o pontífice.

Por Lidiane Santos | Assessoria de Comunicação do Regional NE2

 

No related posts.