Diversas entidades divulgaram, no último dia 25, uma carta aberta sobre a atual conjuntura brasileira, destacando a Política Nacional de Economia Solidária e a possibilidade de cortes do governo no que diz respeito ao Plano Plurianual para o segmento. Confira o teor da carta abaixo:

Carta Aberta – Movimento de Economia Solidária

Brasília-DF, 25 de abril de 2017

 Somos o movimento social da Economia Solidária. Defendemos o bem viver e o desenvolvimento integral e inclusivo, com políticas públicas transparentes e emancipatórias que promovam a união, a valoração do ser humano, o trabalho decente e autogestionário, que construam uma sociedade mais justa e solidária. Estamos em movimento no Fórum Brasileiro de Economia Solidária e nas organizações, cooperativas, associações, na gestão pública, nas empresas recuperadas e em coletivos de diversas naturezas, mulheres e homens que trabalham para permitir um futuro digno, com qualidade de vida a todas as brasileiras e brasileiros.

Enfrentamos um grave momento de crise ambiental, social e política, causadora de profundas dificuldades econômicas. Afirmamos que a Economia Solidária é a alternativa viável para superação dessa crise, porque a enfrentamos coletivamente, com respeito ao ser humano, às relações sociais e, sobretudo, ao meio ambiente. Construímos a Política Nacional de Economia Solidária, com muito diálogo e colaboração, convictas e convictos da força desta estratégia para o desenvolvimento do país. E, como tal, denunciamos o ataque que as políticas públicas de Economia Solidária e de Catadores estão sofrendo neste momento, com o estrangulamento financeiro e com o rebaixamento da Secretaria Nacional de Economia Solidária.

Repudiamos o retrocesso na Política Nacional e exigimos a sua continuidade e fortalecimento, como ferramenta de resposta a esta crise. Exigimos o cumprimento dos acordos firmados pelo governo federal com a sociedade civil para o lançamento dos editais públicos para redes de cooperação solidária, finanças solidárias e empresas recuperadas. Exigimos a aplicação integral do Plano Plurianual e todo o orçamento da Economia Solidária construído no Fórum Interconselhos. Exigimos a efetivação da Política Nacional e nenhum direito a menos.

A Economia Solidária resiste! Estamos em luta!

Coordenação Executiva do Fórum Brasileiro de Economia Solidária

Rede Brasileira de Bancos Comunitários

Rede Nacional de Fundos Solidários

Rede de Gestores de Políticas Públicas de Economia Solidária

Rede de Economia Solidária e Feminista – RESF

Rede Universitária de Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares – ITCPs

Rede Juventude e Economia Solidária – JuveSol

Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis – MNCR

União Nacional das Organizações Cooperativistas Solidárias – Unicopas

Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho – Unitrabalho

Cáritas Brasileira

Instituto Marista de Solidariedade

Por Wagner Cesario | Assessoria de Comunicação do Regional NE2

Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil

No related posts.